domingo, 22 de julho de 2012

Batman Massacre - Polícia desarma armadilhas no apartamento do autor de ...






Talvez nesse momento eu pareça uma pobre e ingênua  pessoa,  ao acreditar que se quiséssemos poderíamos viver um pouco melhor nesse mundo que Deus nos deu. Embora eu saiba que o paraíso não é aqui, creio que poderíamos viver um pouco melhor junto aos familiares, vizinhos companheiros de trabalho etc...
Talvez vivêssemos melhor se descobríssemos e respeitássemos o direito de ser diferente que cada um tem, se os pais prestassem mais atenção aos filhos, se nós familiares nos reuníssemos frequentemente para rir de bobagens, nos abraçar e falar francamente sobre o que sentimos, sobre nossas convicções no amor de um Deus que não ama o pecado mas que perdoa sempre felizmente, e que assim devemos nós também fazer e de todo coração sem reservas! Se conversássemos mais sobre os assuntos que rolam, incluindo os assuntos sobre drogas, amigos, trabalho, estudos, religiões, seitas enfim, tudo que achamos atuais incluindo os que são para alguns um tabu. Talvez no começo alguns se sentissem um pouco constrangidos mas acredito que o entendimento chegaria com as informações que um e o outro buscaria para melhor compreensão sobre cada assunto. Sei que nada disso valeria a pena se não colocássemos cada assunto a ser discutido nas mãos de Deus, carecidos que somos da sua direção em nossas vidas, mas não pode haver distancia quando se trata de amor, de querer bem, não pode haver assuntos que não se possa falar um com o outro quando se ama, (Mesmo estando distante geograficamente). Já ouvi pessoas dizer que não falaram nada sobre alguns assuntos que na ocasião acharam pertinentes só porque não queriam se aborrecer e aborrecer a outrem, achavam que o tempo faria tudo mudar sem maiores consequências, mas no fim se aborreceram e muito mais do que precisava ser,  tendo o problema implicações  graves para um numero maior de pessoas que afinal nada tinham a ver coma situação. Fico falando essas coisas porque me aperreio com essas tragédias loucas, e penso que houve no passado um momento familiar que tudo isso de alguma forma poderia ser evitado. Existem algumas atitudes no ambiente familiar que não adianta fingir que a gente não viu, não percebeu, que é só um  jeito de ser.Se percebermos que algo estranho está acontecendo com um ser amado, ao contrário do que muitos pensam ou fazem, eu acredito que é o momento de ficarmos mais próximos, de  auxiliarmos com equilíbrio, de tomarmos as providencias necessárias que a situação vier a exigir, porque nesse e em outros casos eu acredito que  o amor, o cuidado e a prevenção pode sim salvar.

Di Vieira

quinta-feira, 19 de julho de 2012

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Vozes da Reforma: 20 versículos da teologia da prosperidade! Cuma?!

Achei interessantíssima a postagem do VOZES DA REFORMA e pensei que talvez as pessoas queridas que leem o TECENDO OS SENTIMENTOS, gostem de saber o que vai na cabeça e no coração dessa pessoa  que com bom humor mas com firmeza, nos ajuda a pensar sobre as verdades que às vezes esquecemos de lembrar. Tais como: Examinar ao invés de simplesmente ver,  não aceitar como verdadeiro tudo que ouvimos ou lemos, enfim... devemos observar tudo sempre com muita prudência e sabedoria.


 

Vozes da Reforma: 20 versículos da teologia da prosperidade! Cuma?!: 20 versículos que provam que a teologia da prosperidade está CERTA! P or André Sanchez Todos sabem que existem vários versículos que ...

sábado, 7 de julho de 2012

Vozes da Reforma: É Proibido Julgar?

Vozes da Reforma: É Proibido Julgar?
É Proibido Julgar? Postado por  Augustus Nicodemus Lopes Ainda recentemente participei de uma discussão no Facebook com vários de meus amig...


segunda-feira, 2 de julho de 2012

NÃO HOJE, NÃO AGORA, MAS VOU FICAR BEM!!!




 Li em algum lugar essa frase e achei super interessante:
" Eu vou ficar bem, não hoje, não agora, mas vou ficar bem!"
Isso tudo independente do que estiver acontecendo agora!
Isso é fé, certeza, é confiança no futuro.
Daí lembrei-me do ensinamento de minha mãe a respeito de afirmar  sempre mesmo em meio aos problemas que "Tudo estava bem. Dizia: Filha, com Cristo tudo vai sempre bem!"
Algumas vezes ficava me interrogando se dizer esse negócio que tudo ia bem quando minha alma dolorida, magoada, aflita por toda a sorte de problemas gritava dentro de mim querendo desabafar, ser consolada, ser orientada em meio a confusão que naqueles tais momentos eu estava mergulhada, não seria por um acaso uma bela hipocrisia. Eu confesso que falar até falava, mas sempre soava falso como orações iguais, repetidas sem sequer pensar no que é falado ou sem nenhum sentimento. Naqueles momentos a minha vontade era me jogar nos ombros de minha mãe,  e feito criança chorar copiosamente contando-lhe meus problemas, minhas dores, com voz e  palavras entrecortadas por soluços, assim como eu fazia quando caia ou algo me machucava, isso lá pelos sete ou oito anos se tanto! Era tão bom! O calor daquele colo me acalmava e parecia levar com ele toda a dor! Hoje compreendo que sempre será  assim, as minhas dores sempre vão doer muito mais nela porque ela vai sempre carrega-las consigo; Afinal é  minha mãe né!? Eu sei também que as minhas dores se juntariam com as dores dela, essas dores que sem fantasia fazem parte dessa nossa vida real. O que acontece de bom nessas horas é que sabemos que podemos buscar consolo aos pés de Cristo, afinal cremos num mesmo Deus, eu e minha mãe sabemos que Cristo levou sobre si as nossas dores, que Ele ouve os lamentos e os gemidos de nossa alma, sabemos também que nesse mundo Ele disse que teríamos lutas e aflições mas que deveríamos ter sempre muito bom ânimo.  Então, mesmo que naqueles momentos  mais difíceis e complicados eu não consiga dizer que "Tudo vai bem" como talvez deveria, direi que com Cristo, com toda a certeza tudo vai ficar bem!
Talvez não hoje, talvez não agora, mas com certeza com Cristo tudo vai ficar bem!!!
Beijos mãe!

Di Vieira

Hoje é dia de esperança.

Hoje é dia de esperança. Esperança das boas, esperança feita de fé. No caminho ainda estão muitos desgarrados, perdidos como...