quarta-feira, 26 de setembro de 2012

A MARCA





 Hoje estava eu pensando em todos os tipos de vozes que nos chegam aos ouvidos, e o que devemos reter ou descartar.
Fala-se bastante no que é certo ou errado, e na verdade ouço mais falarem do que fazerem. Isso porque somos muito mais condescendentes com nossos erros do que com os erros dos outros.
Somos tão observadores da verdade, honestos e corretos em todo o nosso dia a dia, que ousamos atirar a primeira pedra nos outros sem nem pensar. Isso acontece na política,(Principalmente em ano eleitoral),  acontece nas famílias igrejafamílias parentesco, pessoas  do nosso convívio, etc.., penso ser pelo achismos de nos considerarmos melhores e mais corretas pessoas do que os outros. E os outros são todos os que estão na mira pra onde o nosso dedo aponta. E são dedos apontados em tantas direções que podemos concluir o óbvio: Todos nós oscilamos entre o certo e o errado já que isso faz parte desse nosso ser enlouquecidamente humano!
Creio no entanto que dentro desse ser"humano", sabemos bem o que é o certo e o errado, o bem e o mal. E sabemos disso desde o momento daquela cena no paraíso em que perdemos o direito a vida eterna vencidos pela inveja e desejo de poder, vencidos pela tendência que temos de optar  por crer no disse me disse de serpentes, e "nas vozes dos amigos do alheio, que proclamam aos quatro ventos que sabem de tudo, e que precisamos saber também como são as coisas," do que crer nas palavras conselheiras do Pai. A nossa desobediência!
Mas creio que no interior, sabemos qual caminho a seguir porque afinal, somos criaturas de Deus feito a sua imagem e semelhança, e Ele não nos daria o livre arbítrio  se não soubéssemos discernir entre uma coisa e outra. Nenhum pai em sã consciência  daria poder de decisão ao filho sem saber que ele está  qualificado pra isso. A emancipação é um ato de amor, confiança e também uma sentença de responsabilidade.
A grandiosidade do amor do Pai, é que Ele está sempre ao nosso lado quando optamos em pedir seus conselhos para enfim tomarmos nossas decisões, e sabemos que cada uma dela por menor que seja, é importante.
Oscilamos entre o certo e o errado como um castigo pela desobediência no paraíso, mas nosso Criador não desistiu de nós em tempo algum, e durante todo o tempo tem nos dado chances de nos redimir perdoando sempre. A salvação pelo sangue do cordeiro nos libera do pecado e de toda a acusação seja de quem for,  seu sangue derramado na cruz lava e purifica os nossos corações (almas),Ele é o selo que nos livra da morte espiritual, assim como o selo nos umbrais das portas, livrou da morte o povo de Israel, assim como o cordão escarlate na janela livrou da morte a Raabe ( Josué cap.2 ),quando ela apesar dos seus pecados deu abrigo em seu coração a voz de Deus. O legal é que ela não foi egoísta pensando só em si, quis chamar com amor as pessoas de sua família para se abrigarem na casa em cuja janela estava o cordão vermelho como símbolo do livramento. Talvez algumas daquelas pessoas nem se importavam com ela, provavelmente lhe apontavam o dedo por seus vários pecados, como se a cidade inteira não estivesse afundando em faltas gravíssimas, Como se suas mãos e seus corações estivessem limpos de pecados. O que me toca é saber que ela recebendo a salvação o livramento, e não demorou em anunciar primeiramente a sua família, independente do que pensariam elas ou as pessoas que se achavam detentoras do poder do certo ou errado, ou de quantas creriam e aceitariam o chamado urgente que ela  viera lhes fazer crendo eles ou não! Entre o certo e o errado, entre o fazer ou não fazer, comer ou não comer, decidamos cada um de nós por si só, usando da Palavra de Deus, e do livre arbítrio que nos foi concedido por Ele, e devemos deixar o julgamento para quem é Juiz e portanto apto e soberano para isso.
Mas quanto aos pecados, não há passado que Ele não possa perdoar, seja o passado de ontem, de uma hora atrás, ou de uma vida toda. Não importa quantos dedos apontam pra você, ou quantas críticas recebe, lembre-se, Deus conhece o seu coração.  
Quanto aos dedos apontados para os outros, que perda de tempo! Isso não é ser humano e cristão! Essa não é possuir uma missão de amor, a missão de amor que recebemos é de urgência urgentíssima! O melhor é ajudarmos uns aos outros nessa missão e não derrubarmos ou aniquilarmos una aos outros. Anunciar  o livramento, a salvação pelo sangue do Cordeiro, Cristo Jesus,  aquEle que pode nos livrar da morte é muito mais importante, enquanto brigamos e discutimos quem é o melhor e o mais certinho, almas se perdem.Falar sobre o amor de Deus e do selo da vida eterna que Cristo por nós ganhou na cruz do calvário é bem melhor, e extremamente necessário. Falemos disso então, antes que seja tarde demais!


Di Vieira

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

EU NADA SOU!





O medo do fracasso  me paralisou durante anos, por não gostar de tomar decisões radicalmente importantes sem antes pensar muito. Em muitas situações isso geralmente não é possível e as consequências são algumas perdas de tempo e auto estima. O medo maior no entanto era o de não estar apta o suficiente para a função para a qual por ventura tenha sido designada. Mas talvez isso não seja um fato que aconteça só comigo, e nem um fato totalmente ruim, já que como não me sinto apta ou segura, sempre me esforço para fazer o melhor . O fato mais complicado no entanto é o tempo que levo para decidir, até porque vivemos num mundo dos que decidem rápido, dos que comem rápido, dos que pensam rápido, dos que andam rápido, enfim a velocidade tanto no decidir como no viver, hoje é um fato! Talvez alguem já tenha em pensamento me criticado achando que eu sou um tanto deprê! Não absolutamente! Sou até bem alegre, que o digam meus amigos. Mas o que é que eu vou fazer, só demoro um pouco pra decidir, quando pressionada!
Me lembro agora que a única decisão que tomei em minha vida sem nenhum temor, inteiramente segura e ciente de que era a decisão mais importante de toda a minha vida, foi quando eu, minha mãe e a minha irmã Beth (que era nessa época um bebê de colo) entramos em uma igreja, aceitamos a Jesus Cristo como salvador, e nascemos eu e minha mãe, juntas para uma nova vida, lembro que levantei minha mãozinha e olhei para o lado pensando talvez que minha mãe fosse me reprovar, mas vi que a dela também estava levantada e minha mãe chorava muito se sentindo eu creio, liberta de um fardo que lhe fazia muito mal,( até hoje com certeza  ela chora  de alegria aos pés do Senhor por isso!)
O mais estranho é que a maior decisão de minha vida fora tomada quando eu era ainda uma menina de apenas doze anos! Foi um amor transbordante cheio de maravilhosas descobertas sobre um Deus que até aquela época eu julgava conhecer, digo julgava porque o deus que me apresentaram até ali era um deus castigador, rancoroso, possessivo e sempre com um olhar cheio de críticas a todas as minhas falhas e consequentemente a de todos que por ventura comessem doce demais, brigassem com os irmãos, comessem uma fruta sem a devida permissão etc...,  lá vinha alguém  dizendo: "Deus castiga!"  Gostavam  também de dizer que você poderia ficar mudo se xingasse, cego se lesse revista de adulto, surdo se não sei o quê... Além de ser isso um enorme preconceito com os deficientes, aquele deus que me apresentavam até aquele momento, me dava um medão que só!!!
Hoje sei que aquelas pessoas falavam de alguém a qual não conheciam, falavam por ouvir falar, não tinha sequer uma pequena  vivencia que fosse com alguém que chamavam de pai nosso que estás no céu. Aquele era um deus que só castigava, matava, e não perdoava fracos, indecisos ,duvidosos e medrosos. Um deus que só se relacionava com bonzinhos, fortes, decididos, enfim...vantagem nenhuma! Ali estava eu uma adolescente descobrindo a Bíblia Sagrada, saboreando  à tão deliciosamente e tão agradecida por descobrir em suas páginas homens e mulheres de Deus imperfeitos como eu, (2 Samuel 11e 12) alguns temerosos, vacilantes e indecisos como eu, (Juízes do 6 ao 40)
outros que cometeram falhas terríveis aos olhos de Deus que ao se arrependerem, do Pai tiveram perdão incondicional. ( 2 Samuel 11e 12 -2 Samuel 24).
Esse é o meu Deus, um Deus misericordioso, disposto a perdoar. Nos ensina no entanto que no livre arbítrio, o que plantar isso também vamos colher e a decisão é nossa, O bem ou o mal é só optar ( Jonas capts. 2, 3 e 4 ). Nas minhas decisões quero ser sempre dependente de Deus, porquê como já disse, a única decisão que tomei em total consciência e da qual nunca me arrependi foi aceitar a Cristo como único e suficiente Salvador. As outras pra decidir, só por Deus!!!
Algumas vezes me senti triste quando me diziam:"Irmã o crente valoroso é confiante, forte, destemido, não tem dúvidas e não vacila. Aleluias!!" E eu olhando dentro de mim não encontrava essa tal pessoa, eu era só eu do meu jeito, desse jeito! Mas olhando pelo lado da fé que é o que interessa, ela sim, não tinha a menor dúvida de que Cristo veio, morreu na cruz do Calvário, ressuscitou e voltara um dia, e eu quero estar com um coração limpo e agradável a Deus quando Cristo voltar, independente do que achem ou esperem de mim as pessoas que se acham seguras, destemidas e poderosas, porque na minha vida, o poder é dEle, a segurança é dEle, a determinação...essa sim é da minha fé que também foi doada por Ele. Nessa vida eu nunca fui, nunca serei, e nada quero ser sem Ele.


Di Vieira





sábado, 8 de setembro de 2012

ELE PROMETEU!




Quando me sinto fraca,
Quando tenho medo,
O Eterno me dá forças.
Me faz descansar em pastos verdes,
Me guia por caminhos certos,
Assim como prometeu!

Nada carecerei,
De nada terei falta.
Mesmo se a dificuldade me fizer chorar,
Mesmo se um amigo me faltar,
Ele sempre estará comigo
Assim como prometeu!

Dispõe para mim um banquete,
Me faz morar em sua casa
Me dá asas para voar,
E como as águias hei de ser
Terei sua bondade e fidelidade enquanto viver,
Porque assim prometeu!

Guardarei sempre a sua promessa,
E não há nada que impeça,
Nada que me separe do seu amor.
O Eterno me faz forte,
 Livra minh'alma da morte
Porque assim prometeu!

Di Vieira


quarta-feira, 5 de setembro de 2012

UM NOVO TEMPO!



Não trocou mais as telhas quebradas
Não arrancou mais as gramas que sufocavam as flores do jardim
Deixou a mais de uma semana a correspondência na caixa do correio
E nos dias que se seguiram, nem  mesmo mostrou a cara no portão.
Nunca fora escravo do dinheiro, mas levara a vida juntando uns trocados
Pensava no futuro!
A casa própria, o carro novo, mais tempo com a família.
Mas hoje no futuro ao olhar no espelho se depara com um velho rosto sulcado de rugas, olhar tristonho e sem esperança.
Tentava em vão lembrar do jovem que fora outrora
Um dos últimos condenados político, estudante agindo na primeira ala dos embates, eram jovens desejosos por  justiça e reforma.
De certa maneira fora privilegiado por viver numa época de verdadeiros protestos de renovação já!
Fora julgado por muitos um anarquista, bagunceiro,  mas era simples e tão somente um jovem lutando por seus ideais de liberdade e justiça para todos.
Formou-se, casou, criou filhos, três ao todo. Viveu sossegado, sem a turbulência do passado, mas hoje viúvo e com os filhos já criados e sem muito tempo para lhe fazer companhia, sente o peso da solidão lhe angustiar a alma.
A fraqueza o abateu de tal forma que não achava mais motivos para viver, que triste final de vida para um lutador preocupado com os problemas sociais, engajado nas fileiras dos não conformados, hoje se deixando vencer pela depressão sem sequer perceber.
Nem de longe era a sombra do homem que fora outrora.
Pensava na vida insatisfeito quando o telefone tocou, felizmente não o desligara da tomada como pensou em fazer. Atendeu sem entusiasmo, talvez fossem os filhos ou os netos quem sabe? Era dona Laura, sua vizinha da frente que sabendo-o sozinho, e já não o via a mais de uma semana, então ela e o marido resolveram ligar . Ambos sentiram um forte desejo de orar por ele e queriam fazer uma visita, e resolveram ligar antes,  queriam lhe falar de Jesus, do seu grande e imenso amor , do amigo que nunca nos deixa só. Dizer que nele há fartura de alegria. Que aceitar a Cristo é também uma luta, só que espiritual ansiando liberdade e salvação para todos, e na ação do amor ao próximo é também uma questão social, só que o nosso líder é infinitamente maior, mais bondoso, justo e nunca, mais nunca mesmo, nos deixará só e desamparado. Só seria necessário seguir os cinco passos: Crer, aceitar seguir, aprender e compartilhar.
Ele nem sequer fez perguntas. Então dona Laura indagou se poderiam conversar pessoalmente, murmurou que sim e logo depois abria a porta para o casal de vizinhos entrar, e junto com eles a mensagem de salvação. O primeiro passo fora dado, a caminhada seria longa, mas é sempre o primeiro passo que te põe a caminho!!!

Di Vieira

Um olhar.

Angela era só doçura no olhar. Ao menos uma vez por semana passava em minha frente ali no balcão, comprava pão, dizia  coisas boas, ou e...