sexta-feira, 30 de março de 2018

E quando a hora chegar?


Traições acontecem, machucam, nos fazem chorar, e quanto mais próximo o traidor estiver, mais parte o nosso coração.
E por isso, Jesus chorou!
Chorou, mesmo sabendo antecipadamente tudo que aconteceria.
Sabia de fato, como sua parte humana sofreria por tudo que aquele cálice de dor faria ao seu coração. 
Sabia, mas mesmo assim aquela traição partiu o coração do Mestre e o Mestre chorou!
Chorou por saber que apesar de podermos usar nosso livre arbítrio pro lado bom, tendemos a fazer o mal.
Chorou por saber que muitos ainda seriam entregues, traídos e humilhados por crer no Cristo que foi crucificado, ressurgiu, e um dia voltará.
Chorou por ver o mundo em uma guerra insana por poder, ambição, loucas ideologias e disputas de religiões.
Jesus chorou por nós! 
Nós que ainda não aprendemos a amar como se deve, a amar o próximo como a nós mesmos.
Chorou por  amor e tristeza pela cegueira de muitos, que ainda estão engessados em suas religiões, cheios de orgulho humilhando, ferindo e matando os que contestam suas opiniões.
Cristo chorou lágrimas de sangue, angustiado por saber que apesar de tudo o que fizera e ainda faria, muitos ainda não daria crédito aos seus ensinamentos.
"Pai, perdoa-os, eles não sabem o que fazem!"
Sabemos que chegará o dia, e a hora já vem, em que Jesus Cristo voltará. 
Eu creio, e espero confiante.
Mas antes que Ele venha porém, todos deverão saber do seu grande amor por nós, todos deverão saber que por esse motivo, poderão ser salvos se crerem. 
Naquele dia, eu o verei e todos o verão,  
Alguns ainda não acreditarão, 
Mas então virá o juízo final, e não poderão dizer que não sabiam.
           

quinta-feira, 15 de março de 2018

Eu também tenho um sonho!


Lutar contra o racismo não é fácil, mas é uma luta que deve ser continuada, feita com destemor, apesar de todas as perdas importantíssima pelas quais passamos. Lutar contra o racismo é uma manifestação de amor, é uma mensagem poderosíssima contra a falta de respeito com o próximo, é um grito indignado contra a violência sem limites que dizimam os que olhando nos olhos dizem "Basta de racismo, de preconceito, de feminicídio, de homicídio, um basta a violência de todas as formas! O caminho é árduo, espinhoso e muitas vezes aparentemente inócuo, mas não dá mais para regredir, não dá mais para fingir que não se vê, não dá, (mesmo com a morte de alguns) para desistir.
Sobre Marielle Franco, alguém disse que,"Quatro tiros, não destroem uma vida com propósitos bons e verdadeiros!"  E eu acredito!
Ela, como eu, como você, como Martin Luther King também tinha um sonho, e esse sonho não acabou, esse sonho não se acabará enquanto pessoas indignadas caminharem nessa enorme, mas necessária luta contra a violência que dizimam negras, negros, pobres, favelados gente de raça considerada por ignorantes como inferiores, gente de todo mundo, apenas e tão somente por ser ou pensar diferente. Gente que lidera movimentos, e erguem sua voz em favor dos injustiçados, não podem ter a vida, e os sonhos esquecidos. Os maus tentam calar essas vozes, mas elas ficam reverberando nas muitas vozes que se levantam querendo direitos e justiça já!

quinta-feira, 8 de março de 2018

Seguir em frente.



Há um gigante entre as sombras, trabalhando no escuro, minando nossa existência.
Um gigante de coração frio e olhar congelante, que paralisa nossas mentes, e nossas ações sem dó nem piedade.
Gigantes são feitos de restos de rancores, pitadas de ódio, sonhos destruídos, alguns pedaços de vingança, e um medo insuportável de quem sabe, dar de cara com um novo possível fracasso.
Estando aparentemente mortos ou quase, já que ainda podíamos respirar o pouco ar que nos sobrava, a pouca vontade de continuar de pé.
Passam-se os anos, e a vida não evolui, na verdade a vida parece presa num tempo longínquo.
Alguns choram sobre o leite derramado, adormecem sob a febre da amargura, submergem no vale sombrio do gigante egocêntrico.
Se não alçarmos voo, se continuarmos rastejando envolto na lama do passado, se caminharmos por entre os vales sozinhos, se esquecermos que para prosseguirmos precisamos de cura, e que só o amor de Deus pode nos curar. Se não alçarmos voo, ficaremos eternamente sob a sobra do gigante, a disposição do seu olhar congelante. O fato de reconhecer os pecados, ter uma fé pequena que seja, uma fé que seja ao menos  do tamanho de um grão de mostarda, uma atitude de um ser humilde pedindo ajuda sabendo que sozinho não poderá vencer aquele gigante que mina a nossa existência.
 Sara-nos Senhor, afasta de nós o olhar que congela, a presença maléfica que quer nos intimidar, que quer atrapalhar o nosso caminhar, nos ensine a ser como as águias e como as águias voar sobre os gigantes invisíveis que querem impedir o nosso caminhar, a nossa vitória sobre os vários tipos de medo.
Remova de nós todo desânimo Senhor, e faz de nós guerreiros prontos pra batalha, pequenos em suas mãos, mas cheios de coragem e fé no futuro.

Final dos tempos.

No ano em que falamos tanto contra a violência contra as mulheres, o feminicídio, o preconceito de todas as formas, os abusos, a violênci...